Futuro Inteligente - Dúvidas Frequentes

Contribuições dos participantes

Os participantes ativos só podem realizar contribuições até o mês em que completam 60 anos de idade.

1. Contribuição básica

É feita 12 vezes por ano. O participante ativo deve escolher um percentual inteiro para ser aplicado sobre a parcela de seu Salário de Participação que exceder 1 UP*, conforme o intervalo indicado para sua idade na tabela abaixo:

Ou seja:

(Salário de Participação - 1 UP*) x Percentual escolhido para sua faixa etária = Contribuição Básica

Por exemplo: Se o valor de 1 UP* for de R$ 4.000,00, um participante de 38 anos que recebe um salário de R$ 5.000,00 deve aplicar o percentual escolhido (até no máximo 4%) sobre R$ 1.000,00.

*O valor atualizado da UP está disponível no site da Fundação > Planos > Futuro Inteligente > Indicadores do Plano

O participante pode alterar esse percentual quando quiser, observada a carência mínima de três meses, exceto quando ocorrer mudança de faixa etária.

A Contribuição Básica mínima é de 0,5553% de 1 UP*. 

2. Contribuição Adicional 

Essa contribuição é feita sempre que houver pagamento de Participação nos Resultados (PR) pela patrocinadora. Para isso, será aplicado sobre o valor recebido como PR o mesmo percentual definido para a Contribuição Básica, com limite máximo de 12 vezes o valor da Contribuição Básica.

3. Contribuição Voluntária

Pode ser feita a qualquer momento em valor livremente escolhido pelo participante, limitado a 30% do salário. Para os participantes ativos, a solicitação é realizada através do Portal Itaú Unibanco e o desconto será em folha de pagamento. Para os participantes autopatrocinados e ativos, que não possuem acesso ao Portal Itaú Unibanco, a solicitação é feita em formulário (disponível no site do participante ou requisitado na Central de Atendimento).

Contribuição da Patrocinadora

1. Contribuição Normal

Em valor igual a 50% das Contribuições Básica e Adicional feitas pelos participantes ativos.


2. Contribuição Suplementar

Corresponde à aplicação de um percentual sobre as Contribuições Básicas e Adicional dos participantes ativos. Esse percentual será definido pela patrocinadora, e aprovado pelo Conselho Deliberativo, conforme taxa de RPL (Retorno sobre o Patrimônio Líquido) do ano anterior, apurada nas Demostrações Financeiras do Itaú Unibanco Holding S.A., de acordo com a seguinte tabela:

A soma do percentual apurado da Contribuição Suplementar + os 50% da Contribuição Normal formará o total da contrapartida da patrocinadora sobre as Contribuições Básica e Adicional dos participantes ativos. Não há contrapartida da patrocinadora sobre as Contribuições Voluntárias.

 

Se o participante se desligar da patrocinadora antes de estar elegível a um dos benefícios do plano, ele poderá escolher um dos quatro institutos a seguir:

Resgate

Permite o resgate de 100% do saldo da Conta de Contribuição de Participante, sem direito a receber o valor das contribuições realizadas pela patrocinadora. O pagamento pode ser feito à vista ou em até doze parcelas mensais e consecutivas, atualizadas com base no valor da quota. Com o Resgate, extinguem-se todas as obrigações da Fundação em relação ao participante ou seus beneficiários.

*Para o participante origem Banco Bandeirantes, o resgate é calculado conforme previsto no item 9.3.2 do Regulamento do plano.

Portabilidade

O participante com mais de três anos de vinculação ao plano (sendo, no mínimo, 36 contribuições ao plano) pode levar seu Saldo de Conta Total ( Conta de Contribuição de Participante + Conta de Contribuição de Patrocinadora) para outro plano de previdência complementar, podendo usar esses recursos para recebimento na forma de renda mensal vitalícia ou por prazo mínimo de 15 anos. O participante com menos de três anos de vinculação ao plano poderá portar apenas o saldo da Conta de Contribuição de Participante. Com a Portabilidade, cessam os direitos do participante e seus beneficiários junto ao plano.

Autopatrocínio

O participante continua contribuindo para o plano até atingir as condições para solicitar um dos benefícios. Neste caso, ele deverá fazer as suas Contribuições Básicas acrescidas das Contribuições Normais da patrocinadora e da taxa de administração prevista no Plano de Custeio anual, via boleto ou débito em conta (somente do Banco Itaú). A definição pelo Autopatrocínio permite opção posterior pelo BPD, Portabilidade ou Resgate.

BPD – Benefício Proporcional Diferido

Desde que tenha mais de três anos de vinculação, o participante pode optar por permanecer no plano (sendo, no mínimo, 36 contribuições ao plano) com as reservas constituídas na Conta do Participante, sem contribuir nem receber contribuição da patrocinadora. A reserva constituída será elegibilidade ao benefício, terá direito a uma renda mensal. A opção pelo BPD possibilita escolha posterior pela Portabilidade ou Resgate.

Importante

> A Fundação encaminhará ao participante, no prazo de 30 dias a partir da comunicação pela patrocinadora do término do vínculo, extrato contendo as informações, inclusive valores, a respeito de seu direito junto ao plano.

> O participante terá o prazo de 60 dias, contatos da data do recebimento do extrato, para optar por um dos institutos. O recebimento do extrato, para optar por um dos institutos. O participante que não fizer sua definição dentro desse prazo terá presumida sua escolha pelo BPD, desde que preenchidos os requisitos mínimos.

> O participante deve formalizar sua decisão, mediante preenchimento do termo de opção protocolado junto à Fundação.

Que benefícios o plano oferece aos participantes?

  • Aposentadoria
  • Incapacidade
  • Abono Anual
  • Benefício por Morte*
  • Pensão por Morte*

Como solicitar um desses benefícios?

É preciso, em primeiro lugar, cumprir todos os requisitos de elegibilidade - ou seja, assegurar que você tem direito ao benefício (veja, a seguir, as exigências de cada um). Basta, então, encaminhar à Fundação, por correio ou pessoalmente, o formulário de requerimento de aposentadoria, preenchido e assinado, com a cópia dos documentos de aposentadoria, preenchido e assinado, com a cópia dos documentos indicados. Esse formulário está disponível na área restrita do site da Fundação (é necessário digitar seu CPF e senha) > Sobre a Entidade > Formulários.

*Pagos aos beneficiários, dependentes ou herdeiros legais, conforme explicado adiante em "Quem são os beneficiários do plano?"

Quais os requisitos de elegibilidade?

Para a Aposentadoria, é preciso:

  • ter 50 anos de idade;
  • ter cessado o vínculo empregatício com a patrocinadora.

O benefício:

O valor será calculado sobre o Saldo de Conta Total (Conta de Contribuição de Participante + Conta de Contribuição de Patrocinadora) e pago conforme a opção de renda escolhida.


Para Incapacidade, é preciso:

  • ter cessado qualquer pagamento de Auxílio-Doença pela patrocinadora ou por entidade por ela contratada para esse fim, mas não antes de 16º dia de incapacidade; 
  • ser elegível ao benefício de Aposentadoria por Invalidez ou Auxílio-Doença pelo INSS;
  • ter pelo menos um ano de serviço contínuo.

A elegibilidade a este benefício cessará se:

  • o INSS suspender o pagamento do benefício correspondente;
  • houver pagamento do benefício em parcela única.

O benefício:

> Autopatrocinados e BPDs - O valor será calculado sobre o Saldo de Conta Total e pago conforme a opção de renda escolhida.

> Ativos - O valor será calculado sobre o Saldo de Conta Total + Saldo de Conta Projetada* e pago conforme a opção de renda escolhida.

*Soma das Contribuições Básicas que seriam feitas pelo participante até a idade de 54 anos e 11 meses, calculadas com base no Salário Aplicável de Participante e na UP na data da ocorrência, considerando os percentuais máximos permitidos em cada uma das faixas etárias até completar 55 anos + uma contrapartida de igual valor que seria efetuada pela patrocinadora (para mais detalhes, consulte o Regulamento do plano).

Qual o valor dos benefícios?

Para a Aposentadoria e Incapacidade, o valor mensal será calculado a partir do Saldo de Conta Total na data de início do benefício, conforme a opção de renda escolhida pelo participante (explicação a seguir).

Benefício Mínimo

Para os participantes ativos que, no momento do requirimento do benefício, tenham Saldo de Conta Total inferior ao Benefício Mínimo do plano, será pago, em prestação única, valor correspondente a 3 vezes o Salário Real de Benefício multiplicado por 1/30 por ano de Serviço Creditado. O Benefício Minimo será aplicado também nos casos de Incapacidade (exceto Complementação de Auxílio-Doença) e Benefício por Morte, quando o Serviço Creditado será contato até a data em que o participante ativo preencheria as condições de elegibilidade para a Aposentadoria, limitada a 30 anos.

O pagamento do Benefício Mínimo extingue as obrigações da Fundação perante o participante, seus beneficiários, dependentes ou herdeiros legais.

Como são pagos os benefícios?

Os benefícios de Aposentadoria e Incapacidade podem ser pagos da seguinte forma, segundo escolha do participante:

1. Parcela única de até 25% do Saldo de Conta Total na data de solicitação do benefício ou a qualquer momento durante o recebimento da Aposentadoria*;

2. Renda mensal correspondente a um percentual de 0,1% até 2% do Saldo de Conta Total remanescente (o percentual escolhido pode ser alterado mensalmente);

3. Renda mensal, em número constante de quotas, por um período de 5 a 25 anos (o período pode ser redefinido com carência mínima de seis meses entre cada alteração);

4. Renda mensal dimensionada em quotas, em função do saldo acumulado e do fator atuarial equivalente no momento de concessão do benefício (esta opção oferece renda vitalícia com ou sem reversão em Pensão por Morte aos beneficiários, sendo a escolha feita no ato de requerimento do benefício);

5. Renda mensal expressa em reais, desde que não seja superior a 2% do Saldo de Conta Total remanescente (o valor definido pode ser alterado mensalmente).

*Esta opção não é válida para o benefício por Incapacidade.

O participante (ou seus beneficiários, quando for o caso), pode alterar a opção de forma de pagamento uma única vez, passando de percentual do saldo para período certo ou vice-versa (ou seja, das modalidades 2 e 5 para a 3 ou vice-versa). A alternativa 4 não permite mudança.

O participante que escolher o recebimento de renda pelas opções 2 e 5 poderá alterar mensalmente o percentual aplicável sobre o Saldo da Conta Total remanescente ou o valor fixado em reais, para vigorar no mês subsequente da solicitação. Em qualquer das opções, a renda será paga anualmente em 12 parcelas mensais +1 abono, em novembro.

Quando é feita a correção dos benefícios?

Os benefícios pagos são revistos mensalmente, conforme retorno dos investimentos.

*O valor atualizado da UP está disponível no site da Fundação > Planos > Futuro Inteligente > Indicadores do Plano. 

Quem são seus beneficiários no plano?

O participante pode escolher qualquer pessoa física como beneficiário. Isso deve ser feito por meio de formulário - disponível na área restrita do site da Fundação (login com CPF e senha) > Sobre a entidade > Formulários > Cadastro de Beneficiário Indicado - que deverá ser preenchido, assinado (com firma reconhecida por autenticidade) e enviado à Fundação. O mesmo vale em caso de alteração  que pode ser realizada a qualquer momento. Se não houver beneficiário indicado, terão direito ao benefício os seus dependentes que na data do falecimento estiverem  na seguintes condições:

1. O cônjuge ou companheiro (a);

2. Os filhos menores de 21 anos (inclusive enteados), sendo estendida a condição até os 24 anos para os que frequentam curso superior;

3. Os filhos inválidos de qualquer idade.

Na ausência de beneficiário ou dependentes, o benefício será destinado aos herdeiros legais do participante, por meio de apresentação de alvará judicial ou escritura pública, para pagamento do Saldo de Conta Total em parcelas.

Lembre-se, é muito importante a indicação do beneficiário, assim será garantida a sua escolha da pessoa que continuará a receber os recursos do plano.

Quais os direitos dos beneficiários?

Se houver falecimento de aposentado ou participante ativo, autopatrocinado, BPD), seus beneficiários terão direito ao Benefício por Morte. Para o participante ativo, é exigido pelo menos um ano de Serviço Contínuo (imediato, na ocorrência de morte acidental).

Na ocorrência de morte de participante ativo, autopatrocinado ou BPD, seus beneficiários terão direito ao recebimento, sob a forma de pagamento único, do Saldo de Conta Total do participante, na data do cálculo.

Os beneficiários dos participantes ativos também terão direito a receber, na forma de pecúlio, o Saldo de Conta Projetada que é a soma das Contribuições Básicas que seriam feitas pelo participante até a idade de 54 anos e 11 meses, calculadas com base no Salário de Participação do participante e na UP na data da ocorrência, considerando os percentuais máximos permitidos em cada uma das faixas etárias até completar 55 anos + uma contrapartida de igual valor que seria efetuada pela patrocinadora (para saber mais, consulte o Regulamento do plano).

Se houver falecimento de aposentado do plano, seus beneficiários receberão Pensão por Morte*, conforme a escolha de renda feita por ele (ver questão " Como são pagos os benefícios?"), desde que seu saldo não tenha se esgotado. Nas opções 2,3 e 5 o saldo remanescente da Conta Total será pago em prestação única ou na forma definida pelo assistido, conforme determinação dos beneficiários em comum acordo (se o valor for pago a dependentes, terá de ser em prestação única). Na opção 4, com reversão em Pensão por Morte, os beneficiários terão direito à renda vitalícia correspondente a 60% do benefício que vinha sendo pago ao aposentado (caso haja alteração no rol de beneficiários entre a concessão da aposentadoria e o falecimento do assistido, o valor do benefício será recalculado). Vale destacar que a opção 4 permite reversão apenas para beneficiários, não para dependentes.

No pagamento do Benefício por Morte ou Pensão por Morte, haverá incidência de Imposto de Renda de acordo com o regime tributário escolhido pelo participante.

*Exceto na opção 4 com renda vitalícia sem reversão em Pensão por Morte aos beneficiários.

 

 

Como ocorre a tributação dos benefícios?

Quando entrou no plano, você escolheu o regime tributário que incidirá sobre o seu benefício de aposentadoria. As duas opções foram:

Regime Progressivo
Os benefícios são tributados conforme as normas estabelecidas pela Receita Federal. A alíquota será aplicada de acordo com a tabela vigente do Imposto de Renda, relativa ao Regime Progressivo*. Vale destacar que:

1. Os rendimentos pagos aos assistidos com idade igual ou superior a 65 anos têm parcela isenta do seu benefício, segundo valor divulgado anualmente para Receita Federal, levando em consideração a soma total de rendas recebidas por mês, independentemente da fonte pagadora.

2. Os rendimentos pagos aos assistidos portadores de moléstia grave podem ser isentos de Imposto de Renda. Se for esse seu caso, verifique as condições para obter essa isenção junto à Receita Federal.

3. No caso de assistidos residentes no exterior, há incidência de Imposto de Renda na fonte sobre o montante recebido.

*As tabelas de cada ano-calendário estão disponíveis no site www.receita.fazenda.gov.br

Regime Regressivo:

Os benefícios são tributados com base na tabela abaixo (desde 01/01/2005), criada pelo governo para estimular as aplicações de longo prazo. A alíquota do Imposto de Renda começa mais alta (35% para investimentos mantidos por dois anos ou menos) e vai caindo à medida que os recursos permanecem investidos, até atingir a alíquota de 10%, válida para recursos mantidos por mais de dez anos. Ao optar pelo Regime Regressivo, o Imposto de Renda será retido na fonte de forma definitiva, exclusiva e sem deduções sobre o valor total.

 

Todos os recursos que, ao longo de anos, foram direcionados para o seu plano de previdência complementar (fruto das contribuições que a patrocinadora fez em seu nome + suas próprias contribuições + a rentabilidade dos investimentos) passarão a ser utilizados para o pagamento mensal do benefício de aposentadoria. Como já foi explicado, você poderá escolher a opção de renda que considerar melhor. 

O valor do benefício será extraído, todos os meses, de sua reserva total no plano. É como um grande bolo do qual você subtrai mensalmente uma fatia.  Sabendo administrar bem o quanto você vai retirar mensalmente em relação à rentabilidade do seu patrimônio, será possível manter o tamanho do bolo praticamente inalterado ou até fazê-lo crescer ao longo do tempo. 

Quer entender como?

A primeira grande decisão

Logo que se aposenta, o assistido se vê diante de uma decisão muito importante. A regra do plano Futuro Inteligente permite o recebimento único de até 25% de seu saldo na data da aposentadoria ou a qualquer momento durante o recebimento da aposentadoria.


É recomendável refletir muito antes de simplesmente optar pelo saque e utilizar os recursos.
Na hora de pensar sobre o assunto, vale a pena levar em conta que:

1. Ao fazer o saque, você vai reduzir em até ¼ o seu patrimônio no plano e é do total remanescente que sairá o valor do seu benefício mensal.


2. Se for usar o dinheiro para abrir um negócio, informe-se bem junto a instituições como o Sebrae para avaliar se a escolha é adequada às suas qualificações e perspectivas de mercado e o que deve fazer para multiplicar suas chances de sucesso. Segundo dados do Sebrae, mais de metade das empresas de pequeno porte fecham as portas antes de completar cinco anos, justamente pela falta de planejamento e conhecimento antes de se iniciar o negócio.


3. Pode não ser uma boa ideia usar esses recursos para trocar de carro, reformar o apartamento ou até mesmo comprar uma casa na praia ou no campo. Seu dinheiro no plano servirá para complementar a aposentadoria que você receberá do INSS e quanto mais tempo sua reserva previdenciária durar, melhor.


4. Quando sai da ativa, o assistido não dispõe mais do pacote de benefícios da patrocinadora que pode incluir itens como seguro, plano de saúde e vale-alimentação. Portanto, essas despesas passarão a ser assumidas pelo aposentado.

Importante

Estas dicas baseiam-se em estudos de casos vivenciados por participantes de planos de previdência complementar e não são recomendações para situações específicas. A Fundação Itaú Unibanco não se responsabiliza pelas decisões tomadas por seus participantes.

A rentabilidade dos investimentos

Os recursos dos participantes são aplicados em diversos tipos de ativos, seguindo sempre a legislação do setor e a Política de Investimentos do plano que é elaborada pela Diretoria da entidade, aprovada pelo Conselho Deliberativo, e revista todos os anos.
O plano Futuro Inteligente disponibiliza quatro perfis de investimento, com diferentes riscos e retornos, para escolha dos participantes e assistidos, conforme suas características e necessidades. Os recursos são distribuídos tendo como base a seguinte alocação padrão:


Ultraconservador RF DI 100% renda fixa

Conservador RV 7,5       92,5% renda fixa

                                         7,5 % renda variável

Moderado RV 20             80% renda fixa

                                         20% renda variável

Arrojado RV 40               60% renda fixa

                                         40% renda variável

Os recursos destinados à renda fixa podem ser aplicados em títulos públicos ou privados, prefixados, pós-fixados ou indexados à inflação, entre outros. Nos investimentos em renda variável, são utilizados instrumentos cujos rendimentos não podem ser previamente determinados porque dependem de eventos futuros e fatores conjunturais, como por exemplo, ações de companhias abertas e fechadas, além de cotas de fundos de ação e participação. Maiores detalhes sobre a alocação mensal podem ser encontrados no site da Fundação em Rentabilidade > Plano Futuro Inteligente > Detalhes dos Perfis.

Importante

Independentemente do perfil escolhido, os investimentos apresentam risco para o participante, podendo resultar em perdas ou rentabilidade negativa em condições adversas de mercado. Mesmo com a utilização de sistemas de gerenciamento de riscos, não é possível eliminar completamente a possibilidade de perdas ou de resultados negativos.

A preservação de seu patrimônio

Quando se torna assistido e determina o valor de seu benefício mensal, você deve ficar atento para não comprometer sua reserva previdenciária. Isso porque a renda mensal é abatida de seu saldo total. Portanto, o ideal é definir um valor que não resulte em uma redução muito rápida de sua reserva no plano.


Mas é possível ter um benefício mensal e ainda preservar seus recursos no longo prazo? Sim. Para isso você precisa ficar sempre de olho na rentabilidade de seu perfil de investimento para que seu benefício esteja alinhado com o rendimento obtido pelas aplicações.

Na hora de decidir, é bom fazer as contas para ver qual é a relação do total recebido no período (em percentual do patrimônio) x a rentabilidade acumulada. Caso a relação seja desfavorável, talvez seja bom rever o valor determinado.


Se você mantiver o percentual do benefício igual ou abaixo da média mensal de rentabilidade de seu perfil, os impactos sobre o patrimônio principal serão minimizados pela perspectiva de crescimento ao longo dos anos, uma vez que há a possibilidade de o rendimento dos investimentos “compensar” sua retirada todos os meses. Não se esqueça de considerar a inflação ao fazer os cálculos.

Para que você possa perceber essa situação mais claramente, acompanhe no gráfico ao lado a situação hipotética de dois aposentados. Ambos saíram da ativa em abril de 2010, com uma reserva no plano de R$ 200 mil e investem no perfil Ultraconservador RF DI. O primeiro  (João) optou por um benefício de 0,5% sobre o saldo e o segundo (Pedro) escolheu um benefício de 1% sobre o  saldo. Simulando uma rentabilidade futura de 0,75% ao mês*, veja o que acontece com seu patrimônio: 

* A rentabilidade e os cálculos aqui são meramente exemplificativos e não configuram qualquer promessa de reserva previdenciária acumulada ou garantia de benefício ou retirada. Os  indicadores econômicos constantes deste material são de mera referência econômica e não representam meta ou parâmetro de performance.

Importante

Como você nota no gráfico, a partir da projeção de um cenário com rentabilidade mensal constante, em tese, a retirada menor preserva o patrimônio, o que pode aumentar o benefício mensal, já que este é formado a partir de um percentual dos recursos acumulados.

 

 

 

Busca